domingo, 17 de dezembro de 2017

Um olhar sobre Lisboa Simbólica - Fernanda Lobo (UNISBEN 2015)




Lisboa é uma cidade de brilho e de luz, de azuis cintilantes, mas as suas verdadeiras pérolas encontram-se nos pormenores das ruas e vielas, nos cruzamentos das esquinas, na intimidade dos largos, nas estátuas, nas praças e nos segredos guardados nos palácios - e que ninguém vê. É necessário aprender, para saber sentir e viver o deslumbramento que Lisboa desperta.

Rastos do Tempo / Traces of the time


Este é o mundo daquela parte do Portugal Desconhecido... Mas que ainda existe, para nos agredir a memória.

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Recuso fazer a contabilidade da morte...






Recuso fazer a contabilidade da morte...


Recuso fazer a sinistra contabilidade
da morte, que companheiros ceifa,
o tempo escurece nas saliências da memória
e as flores da primavera já não são as mesmas
esgotam-se as incandescências da luz
que vestimos na juventude,
a endoidecer os astros
que nos acusavam aos deuses
das nossas tropelias e rebeldias…

Era o tempo puro da liberdade das aves
que não queriam morrer na praia nem no deserto…
Era a vida a pulsar nos punhos,
no turbilhão do sangue
e que agora morre, irremediavelmente,
no turbilhão do Tempo.

Alexandre de Castro

Lisboa, Dezembro de 2017

domingo, 10 de dezembro de 2017

Oração poética



Oração poética

Quando se fala de caridade
deve falar-se de fé e ideologia
e de  Isabel Jonet*
que trabalha de graça para Deus,
embora o Nazareno, sem saber a tabuada,
lhe tenha feito uma partida,
baralhando o jogo
com o milagre da multiplicação dos pães...

Alexandre de Castro
Lisboa, Dezembro de 2017

*Directora do Banco Alimentar Contra a Fome